ANPUH – Natal!

Saiu o resultado do Edital de Transporte e conseguimos um ônibus para o XXVII Simpósio Nacional de História – ANPUH – em Natal.

O ônibus comporta 44 pessoas. Ao retorno do semestre, convocaremos uma reunião para a segunda semana a fim de decidir como será organizado a lista de passageiros efetivos, propostas de Hosteis, preços e outros detalhes.

Anúncios

Transporte: ANPUH e ENEH

Olá todxs.
Estamos recolhendo os nomes de interessados em dois importantes eventos do calendário de História que ocorreram nos próximos meses. Mediante o edital da PRAE, solicitaremos transporte para ambos, se houver demanda. Por isso estamos passando nas salas de aula e conversando com os estudantes que tem interesse em participar do eventos.

Os eventos são:
XXVII Simpósio Nacional de História (ANPUH)
Data:22 à 26 de Julho de 2013
Local: UFRN (Natal – RN)
Tema: Conhecimento histórico e diálogo social.
141 simpósios temáticos e 70 minicursos.
Preço: Ouvinte – Aluno de Graduação – R$45,00.
Não incluso alimentação e alojamento que será negociado após a confirmação do transporte, mas se calcula em média de R$30,00/Dia
Site: http://www.snh2013.anpuh.org/

XXXII Encontro Nacional dos Estudantes de História
Data:24 à 31 de Agosto de 2013
Local: UERJ (Rio de Janeiro – RJ)
Tema: A Universidade necessária: reforma curricular e a ultilidade da História
Preço: R$80,00 – alojamento + alimentação (1° lote)
Site: http://www.eneh.uerj.br/

Ambos eventos emitem certificado de horas.
Caso a lista não tenha chego até você, mande seu nome, matrícula e R.G. que nós o incluímos na lista.
Pode mandar por mensagem inbox, ou pelo e-mail do CAHIS:

Lembramos que essa é uma manifestação de interesse, para vermos a viabilidade do transporte, depois confirmaremos os nomes.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

NOTA DE ESCLARECIMENTO
Para esclarecer as dúvidas e questionamentos levantados pela Diretoria Acadêmica acerca do envolvimento das Entidades Estudantis do Campus Guarulhos, e do Diretório Central dos Estudantes, na construção da Calourada 2013, informamos que no dia 9, quinta-feira, será realizada uma reunião entre as entidades do movimento estudantil, Centros Acadêmicos e DCE, para a discussão da calourada do Campus Guarulhos, que acontecerá entre os dias 3 e 7 de Junho.

A reunião será aberta para todos os estudantes, organizados ou não em entidades, e Coletivos que se interessarem em ajudar a construir a semana de recepção dos calouros.

Esclarecemos também que todas as atividades da “Semana Cultural Unifesp”, propostas para acontecer esta semana, entre os dias 8 e 10, estão sendo organizadas por Coletivos independentes, Coletivos IES e C.A, e não correspondem, ou possuem qualquer vinculo, com calendário oficial da calourada.

O Diretório Central do Estudantes junto com os centros acadêmicos da Letras (CAEL), História (CAHIS) e História da Arte ( CAHART) assinam este esclarecimento.

Assembleia de estudantes de História nesta quarta-feira (24/04)

​​Convidamos a todos e todas para a Assembléia dos Estudantes de História, a ser realizada nesta quarta-feira, dia 24 de abril, às 18h, na sala ​01, para tratar avaliação da gestão atual e posse na nova gestão do Cahis.

Participe!

ASSEMBLÉIA DE ESTUDANTES DE HISTÓRIA

QUARTA, 24, ÀS 18H

NA ​​SALA​ 01

 
 
Coordenação de Comunicação
Centro Acadêmico de História (CAHIS)
Universidade Federal de São Paulo campus Guarulhos
 
 

Apuração das urnas das eleições do CAHIS 2013-2014

A Comissão Eleitoral do CAHIS UNIFESP divulga resultados do processo eleitoral do CAHIS

Comunicamos que, tendo ocorrido o processo eleitoral normalmente, abrimos a urna e fizemos a contagem dos votos na data de ontem, dia 18 de abril de 2013.

De um total de 475 votantes, 110 estudantes de História compareceram às urnas. Desses, 104 estudantes optaram pela chapa “Era dos Pimentas”, três votaram em branco e três anularam seus votos.

Chapa Era dos Pimentas: 104 votos
Brancos: 3 votos
Nulos: 3 votos

Deste modo, comunicamos que a chapa “Era dos Pimentas” foi a mais votada no pleito de 2013 do Cahis.

Solicitamos ampla divulgação dessa mensagem e convidamos a todos para a Assembléia dos Estudantes de História, a ser realizada nesta quarta-feira, dia 24 de abril, às 18h, com local a definir, com o intuito de avaliar o processo eleitoral, a gestão atual e iniciar à nova gestão do CAHIS.

 
Comissão Eleitoral
Centro Acadêmico de História
Universidade Federal de São Paulo

 

Brasil de Fato: Nota sobre reportagem da revista Veja

O direito à terra é um direito conquistado pelo povo brasileiro que precisa ser cumprido. E é possível fazer essa luta com solidariedade, com amor, com carinho, que é a competência do ser humano. Não é com maldade, como fez essa reportagem

Fonte: Brasil de Fato
05/11/2012

 

Comissão de professores Guarani e Kaiowá

 Ao contrário do que escreveram os jornalistas da Revista VEJA, Leonardo Coutinho e Kalleo Coura, quem luta pelos territórios tradicionais é sim o povo Kaiowá e Guarani. Somos nós que estamos retomando nossos territórios antigos.

A matéria publicada foi racista, preconceituosa, discriminatória, estimulou o ódio contra os povos indígenas. Tenta desmotivar o nosso povo, ignora que nós temos língua própria, sentimento próprio, natureza própria. Não fala que a gente sabe o que a gente quer. Acaba colocando as pessoas contra nós, não a favor.

A revista VEJA não está a serviço dos indígenas, nem dos mais pobres. Está a serviço de quem manda. Age com coronelismo. Parece estar a serviço de quem paga.

Os jornalistas precisam estudar mais um pouco. Conhecer o que é índio, o que é cultura, o que é tradição, o que é história, o que é lingua, o que é Bem Viver. A terra, para nós, é o nosso maior bem viver, coisa que ainda a imprensa não entendeu muito bem. Não entendeu que é possível escrever coisa boa sem prejudicar.

O povo pobre não tem acesso à imprensa, quem tem são os latifundiarios e os emrpesarios. São eles que comandam. Nós somos brasileiros, somos filhos da terra. É preciso valorizar todas as culturas, o que a imprensa não faz. Mas precisava fazer.

O direito à terra é um direito conquistado pelo povo brasileiro que precisa ser cumprido. E é possível fazer essa luta com solidariedade, com amor, com carinho, que é a competência do ser humano. Não é com maldade, como fez essa reportagem.

A matéria quer colocar um povo contra outro povo. Quer colocar os não-índios contra os indíos. Essa matéria não educa e desmotiva. Ao invés de dar vida, ela traz a morte. Porque a escrita, quando você escreve errado, também mata um povo.