Memorial da Resitência: Transições – Das ditaduras às democracias na América Latina

15 de dezembro de 2012 a 10 de março e 2013

 Memorial da Resistência de São Paulo
Largo General Osório, 66 – Luz
de 15 de dezembro de 2012 a 10 de março de 2013
Abertura: 15 de dezembro, das 13h às 16h

 

 “Transições” é resultado de um trabalho coletivo realizado pelas instituições de 10 países integrantes da Rede Latino-Americana da Coalizão Internacional de Sítios de Consciência, uma rede mundial que atua por meio de redes regionais, e da qual o Memorial da Resistência é membro desde 2009.
As instituições de cada país selecionaram imagens que considerassem mais representativas ou emblemáticas das transições dos governos autoritários ou ditatoriais para a democracia, de conflitos armados internos a processos democráticos e de momentos considerados marcantes, de rupturas e/ou de decisiva inflexão na história social e política das últimas décadas.
As fotografias possuem identidade própria, mas os painéis fotográficos que mostram os principais acontecimentos de cada um dos dez países que compõem a exposição estabelecem uma sequência que pode evidenciar um importante vínculo entre si.
A ideia de organizar a mostra teve dois objetivo principais: em primeiro lugar, buscar a possibilidade de criar uma exposição itinerante que, por meio de mecanismos muito simples, pudesse ser impressa e exibida pelos membros da Rede e em outras instituições.
O segundo objetivo consistiu em provocar um debate sobre as formas pelas quais representamos – nas mostras e exposições em museus de nossas instituições – as transições ou rupturas que marcaram etapas na história recente que pretendemos contar.Participaram da atividade as seguintes instituições:

  • da Argentina, o Archivo de la Memoria de la Provincia de Córdoba, Casa por la Memoria y la Cultura Popular, Centro Cultural por la Memoria de Trelew, Museo de la Memoria (Rosario), Dirección de Derechos Humanos de Morón, Memoria Abierta;
  • do Brasil, o Memorial da Resistência de São Paulo e o Núcleo de Preservação da Memória Política; do Chile, a Agrupación de Familiares de Paine, Museo de la Memoria y los Derechos Humanos, Corporación Parque por la Paz Villa Grimaldi, Estadio Nacional;
  • de El Salvador, o Museo de la Palabra y la Imagen;
  • da Guatemala, o Archivo Histórico de la Policía Nacional e o Centro de Investigaciones Regionales de Mesoamérica;
  • do México, o Centro de Derechos Humanos Fray Bartolomé de las Casas e a Organización Sociedad Civil Las Abejas;
  • do Paraguai, o Museo de las Memorias: Dictadura y Derechos Humanos e a Dirección de Verdad, Justicia y Reparación;
  • do Peru, a Asociación Paz y Esperanza, Movimiento Ciudadano Para que no se Repita e a Asociación Caminos de la Memoria;
  • Da República Dominicana, o Museo Memorial de la Resistencia Dominicana;
  • e do Uruguai, o Centro Cultural y Museo de la Memoria (Uruguai).
Anúncios

IV Semana de História: Perguntas frequentes

O que é a “Semana de História”?

►A Semana de História (SH) é um evento com duração de uma semana (de segunda a sexta-feira) realizado por iniciativa do corpo discente de História da EFLCH-UNIFESP, com a colaboração dos professores do curso.

Quando normalmente acontece a SH?

►As últimas três edições (2009, 2010 e 2011) da SH ocorreram na primeira semana de Outubro.

Como acontece a SH?

►Em meados do primeiro semestre (abril/maio) uma chamada geral é feita para que a comissão organizadora daquele ano seja formada. Essa chamada é aberta a todos os interessados e a comissão pode ser formada por alunos de qualquer ano do curso de História, inclusive ingressantes. Essa comissão irá definir os moldes daquela SH, desde como será feita a escolha do tema até como se dará a organização, divulgação do evento etc.

Quais são as atividades da SH?

►A programação varia de acordo com o tema escolhido, mas atividades comuns a todas as edições até o momento foram palestras, mesas redondas, minicursos e apresentações de IC (Iniciação Científica). Também já houve lançamentos de livros e manifestações culturais, como apresentações teatrais e exposições.

Qual a diferença entre a IV Semana de História e as edições anteriores?

►Devido às greves discente e docente durante o primeiro semestre de 2012, a realização de uma SH ainda este ano pedia que o próprio formato fosse repensado. A fim de não causar prejuízo aos cronogramas das UCs do curso, cujo calendário está mais apertado, a Comissão sugeriu o formato de um “entreaulas estendido”. Ou seja, em vez de acontecer durante o dia inteiro, como nos anos anteriores (das 13 às 22hs), a IVSH aconteceria entre as 17 e às 20hs. As aulas, dessa forma, seriam mantidas dentro de uma normalidade, com a diferença de que pediríamos aos professores que liberassem os alunos do Vespertino uma hora mais cedo e que permitissem a entrada dos alunos do Noturno em sala às 20hs. A data da realização da SH também muda: em vez de acontecer na primeira semana de Outubro, aconteceria na primeira semana de Novembro, entre os dias 05 e 09.

Qual o tema da IV Semana de História?

►A escolha do tema para esse ano (“O saber e a consciência histórica: tendências e perspectivas”) se deu visando proporcionar um arcabouço teórico-metodológico para que tanto calouros quanto veteranos pudessem participar da discussão dos trabalhos dos alunos, foco dessa edição. A IVSH, assim, teria como diferencial a realização de Simpósios Temáticos que compreenderiam apresentações de Iniciação Científica, Laboratórios de Ensino e Pesquisa, Projetos de Extensão, Estágio Supervisionado, Monografia e Pós-graduação em História. Esses Simpósios, que aconteceriam com exclusividade em dois dias (Terça e Quinta-feira) seriam intercalados por mesas-redondas orientadas pelas seguintes temáticas: “Ensino, pesquisa e extensão” (Segunda-feira), “Tendências historiográficas atuais” (Quarta-feira) e “O ofício do historiador, consciência histórica e função social da História” (Sexta-feira).

Como eu posso apoiar e acompanhar a IV Semana de História?

▪ Curta a nossa página no Facebook (www.facebook.com/ivsemanadehistoriadaunifesp);

▪ Entre em contato com a Comissão Organizadora (semanadahistoriaunifesp@gmail.com);

▪ Participe da enquete sobre os SimpósiosTemáticos, disponíveis nos grupos de História da Unifesp no Facebook:

História Unifesp (http://www.facebook.com/groups/282417561831409)

História DR-Alunos & Professores Unifesp (http://www.facebook.com/groups/269361406502042)

 

E não seja tímid@: vote, comente, faça sugestões e tire possíveis dúvidas! 😉

Atenciosamente,

«Comissão Organizadora da IV Semana de História» Alexandre Queiroz (5º Termo), Amauri Caldeira (5º Termo), Carlos Malagutti (7º Termo), Celeste Baumann (5º Termo), Daniela Santos (7º Termo), Elson Granzoto Jr. (5º Termo), Elson Luiz Mattos (7º Termo), Jonathan Portela (5º Termo), Maurício Dias Duarte (5º Termo), Patrícia Moreira Nogueira (5º Termo), Paula Broda (8º Termo), Philippe Arthur Dos Reis (7º Termo), Talita Sanchez (8º Termo), Tatiane Pieroni (5º Termo), Thaís Geraldini (7º Termo) e Thomaz Barbeiro Gonçalves (7º Termo).

Convocatória – Curso de formadores da Articulação Pela Memória, Verdade e Justiça em São Paulo

A Articulação Pela Memória, Verdade e Justiça em São Paulo deu um passo importante com a realização de sua I Plenária Estadual, realizada no dia 18 de agosto no Sintaema, com cerca de 113 pessoas e 46 organizações.

Foi um dia de amplos debates, os quais abordaram os temas da herança da ditadura na história do Brasil, da luta de procuradores do Ministério Público Federal pela punição a agentes repressores e torturadores do período, das limitações impostas pela não revisão da Lei da Anistia, das insuficiências da Comissão Nacional da Verdade, da necessidade em se esclarecer os crimes do Estado Brasileiro, e combater as conseqüências nefastas deste período à sociedade atual. Após as discussões, os participantes foram divididos em grupos de discussão, cujos resultados estão sintetizados nas propostas da plenária final.

Dando prosseguimento as tarefas da plenária, pela construção de um grande movimento pela Memória, Verdade e Justiça no estado de São Paulo, neste momento convidamos todas as organizações preocupadas em garantir as condições para o pleno desenvolvimento humano a indicarem militantes para participar do nosso Curso de Formadores. O objetivo é ampliar o número de militantes atuantes na disputa pela Memória, Verdade e Justiça nos diversos movimentos sociais, nos sindicatos, nas associações de bairros, nas igrejas, escolas e universidades.

O curso será realizado nos dias 20 e 21 de Outubro, na sede do DCE da Unifesp, próximo a Estação de Metrô Santa Cruz, em São Paulo-SP.

Os interessados devem enviar um e-mail para verdadejustica2012sp@gmail.com com nome, telefone/celular, organização/local de atuação, bairro/cidade, até o dia 14 de outubro.

Reunião Semana de História

Nesta Terça-feira, reuniu-se a Comissão Organizadora da IV Semana de História. Na quarta, realizamos reunião com a chefia Departamento de História, e agora, visando maior agilidade da organização, realizaremos nova reunião nesta sexta, às 18h. Com o repasse da Reunião com o Departamento e seu apoio a Semana, consolidaremos a Comissão Organizadora da IV Semana de História, sua metodologia e sua temática. Participe!

Reunião da IV Semana de História
Sexta, às 18h

_____________________

17 a 21 de setembro: III Semana de Gênero e Sexualidades da UNIFESP

https://i1.wp.com/4.bp.blogspot.com/-GboIFmF3oyg/T4X1x5ZVJgI/AAAAAAAAABk/FY5UvasAmWk/s1010/322793_152051724881548_128354280584626_280312_5981803_o%2B%25281%2529%2B-%2BC%25C3%25B3pia.jpg

Início | O Evento | Programação | Como Participar? | Como Chegar? | MAPÔ

O EVENTO

A III Semana de Gênero e Sexualidades da UNIFESP, edição 2012, possui como tema “Política, Gênero e Sexualidades: tensões e diálogos”. O evento acontecerá entre os dias 17 e 21 de setembro de 2012, e terá atividades como Comunicações Orais (a partir de chamada de trabalhos a ser feita através do Edital 2012), atividades culturais (como exibição de filmes, peças teatrais e espetáculo de danças), palestras e mesas redondas.

Pretende-se criar um espaço de discussão acerca da relação entre Política, entendida em sentido amplo, com as sexualidades e experiências de gênero. Assim, tornam-se relevantes questões como políticas públicas para a sexualidade, educação e sexualidade; a relação entre Estado, religião e controle da vida sexual; a importância do Estado Laico, a esfera pública e a esfera privada quando o assunto é sexualidade; a luta pela ampliação dos direitos de minorias oprimidas, bem como diversas outras questões ligadas à atualidade e ao cotidiano, como preconceito, discriminação, violência, exploração sexual, mídia etc.

O principal objetivo para a realização desse evento é criar um espaço de diálogo que articule os estudos sobre gênero e sexualidades, a fim de contribuir para o desenvolvimento dessa área do saber no campus de Ciências Humanas da UNIFESP.

Esperamos contribuir com o corpo discente, na atualização da discussão referente ao tema e na ajuda na escolha de objetos de estudo, e com o corpo docente na construção do conhecimento referente às temáticas exploradas. Além dos objetivos científicos, pretendemos também aproximar a comunidade na qual o campus está inserido, integrando-a ao espaço universitário e contribuindo para a reflexão de temas que são pertinentes à suas realidades. Por fim, propomos a Semana de Gênero e Sexualidades como um grande laboratório científico e, sobretudo social, evidenciando a importância de eventos desse tipo para a sociedade na luta contra a discriminação, preconceito e por um país mais justo e igualitário.

Continuar lendo

10 de agosto: Torquemada – 17 Balas

A ocupação do campus é uma pauta que todos os setores da Universidade acreditam ser urgente. Que o espaço da Universidade seja aberto, público e utilizado por toda a comunidade. Seja para aulas, assembleias, debates, cultura! Neste sentido compreendemos de grande importância as atividades que acontecem no Teatro da Prefeitura, localizado no campus Guarulhos da Unifesp.

Sendo assim convidamos a todos e todas para assistirem a peça Torquemada17, que, não só contribui para a difusão cultural no Bairro, mas também trás um profundo debate sobre um dos períodos mais obscuros de nossa História, a Ditadura Civil-Militar. Além disso, diante do momento em que vivemos, com a constituição da Comissão da Verdade, é urgente também a apropriação da sociedade sobre esta temática.

O enredo costura o passado e o presente, relacionando o “abuso” nos dias de hoje nas periferias com a impunidade do regime militar e um resquício de uma forma de pensamento presentes desde os tempos de Tomás de Torquemada, inquisidor espanhol; a entrada é gratuita. (Guarulhos Notícias)

“Torquemada – 17 Balas” é uma releitura do texto “Torquemada” de Augusto Boal, refere-se à repressão policial, à violência do Estado, à impunidade e ao autoritarismo que se faz presente ainda hoje, fruto da história da sociedade brasileira e recorrente na história da humanidade.

No espetáculo, após pronunciamento de Tomás de Torquemada, inquisidor espanhol da idade média, o público acompanha o relato descrito por Boal sobre a tortura que sofreu no período do regime militar e a leitura de parte de seu processo criminal de 1971.

A peça segue para a atualidade e um jovem toma o lugar do “subversivo” da época, em uma jornada de acontecimentos pelos subterrâneos da violência atual nas periferias.

Na dramaturgia proposta, as falas dos torturadores do passado estão presentes naqueles que violam os direitos humanos nos dias de hoje, trazendo à memória os “anos de chumbo” e sua influência na atualidade.

O enredo é costurado por músicas compostas coletivamente pelo grupo, que garantem também momentos de descontração à peça. Ao final do espetáculo, o público é convidado a entrar em cena em busca de alternativas para o conflito apresentado. Inicia-se a sessão de Teatro Fórum.

Amanhã 10/08 às 19h no Teatro Adamastor Pimentas
(retirada de ingressos 1h antes)

http://www.torquemada.art.br

torquemada17balas

COMISSÃO DE ANISTIA

O presente projeto foi apresentado no ano de 2011 à II Chamada Pública do Projeto Marcas da Memória, da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, e selecionado por Comitê independente para fomento.

A realização do projeto objetiva atender as missões legais da Comissão de Anistia de promover o direito à reparação, memória e verdade, permitindo que a sociedade civil e os anistiados políticos concretizem seus projetos de memória.

Por essa razão, as opiniões e dados contidos na publicação são de responsabilidade de seus organizadores e autores, e não traduzem opiniões do Governo Federal, exceto quando expresso em contrário.

Reunião do Cahis nesta quinta

Convidamos todos e todas para a próxima Reunião do Centro Acadêmico de História, a ser realizado nesta quinta-feira, dia 9 de agosto, 18h, no Pátio Central. Com o intuito de dar prosseguimento as atividades no campus Guarulhos da Unifesp, discutir-se-á a realização da Semana de História, bem como outros assuntos que se fizerem necessários.

______________________________________

______________________

Reunião do Cahis

Pauta: Semana de História

Quinta-feira, 9 de agosto, às 18h

No Pátio Central do campus Guarulhos da Unifesp

______________________

______________________________________

______________________________________

______________________________________