Carta ao corpo docente de História da UNIFESP

Os motivos que nos levaram à presente paralisação são de conhecimento geral: precária estrutura para a realização das atividades acadêmicas e escassas garantias de permanência aos estudantes. A Universidade ainda está muito aquém de garantir condições de estudo e trabalho à sua comunidade. As conseqüências desta situação são sentidas cotidianamente, especialmente pelos estudantes. A proporção dos que estão em condições de integralizar suas graduações no ano letivo de 2010, comparada com o número de ingressantes em 2007, é reveladora.

A greve estudantil na UNIFESP-Guarulhos completa hoje seu 26º dia. Nossa última assembleia do campus, que decidiu pela continuidade da paralisação por ampla maioria, foi a mais representativa de nossa história. Há três semanas, poucos acreditavam que o movimento seria capaz de manter sua vitalidade e mobilização por tanto tempo.

Isto ocorre porque ainda existe um impasse com bases reais: o essencial de nossa pauta ainda não foi atendido. Até o momento, não recebemos garantias de que haverá solução para as reivindicações. Da diretoria acadêmica, um informe insuficiente sobre o que se passou, mas nenhum compromisso do que sucederá. Da reitoria nenhum sinal, a não ser a disposição de, simplesmente, receber e responder uma carta contendo a pauta unificada dos diferentes campi.

Para quem está prestes a concluir a graduação é mais difícil considerar a necessidade de continuar e fortalecer a greve para que conquiste garantias de atendimento às reivindicações rapidamente. Compreendemos. Para quem está em posição distinta no cotidiano da universidade e não está em greve é mais difícil considerar a insuficiência das sinalizações dadas pela direção da universidade até o momento. Compreendemos. Para quem terá dificuldades no cumprimento de um novo calendário acadêmico devido a compromissos pessoais, institucionais e profissionais firmados com antecedência é mais difícil prestar apoio e solidariedade ao movimento grevista. Compreendemos.

As sugestões e as críticas, tão importantes quando direcionadas de modo construtivo, continuarão sendo recebidas e processadas em nossas discussões. Contudo, divergimos profundamente de quem, aberta ou veladamente, se opõe à greve, estejam estas pessoas orientadas pelas questões acima ou por avaliações políticas distintas quanto aos rumos do movimento. Responderemos adequadamente tanto às ações isoladas quanto às campanhas que buscarem deliberadamente enfraquecê-lo, deslegitimá-lo ou ferir sua autonomia.

Mas, ainda assim, queremos deixar claro: nossa abertura para o diálogo também se estende a estas pessoas, convencidos que estamos da nossa capacidade de unir forças, mesmo com diferenças táticas, pelo atendimento das reivindicações cuja solução é de interesse comum.

Aos que se solidarizam e nos apóiam, nossos agradecimentos e o convite para se somarem, mobilizando-se da maneira que melhor lhes convir e convencendo seus pares de como é importante que a greve siga um bom termo e conquiste seus objetivos prontamente.

O CAHIS tem toda a disposição para contribuir da melhor maneira nas negociações referentes à construção do novo calendário acadêmico, na reposição das aulas, na aplicação das avaliações pendentes e no fechamento do semestre letivo. Um comprometimento recíproco por parte do corpo docente de História seria extremamente valioso para a tranqüilidade no futuro retorno às atividades acadêmicas.

Não desejamos, de modo algum, que o impasse ainda pendente em torno das reivindicações, por demandar a continuidade da greve, implique em segregação entre segmentos da comunidade acadêmica. Este seria um dos piores legados deste rico processo que, na verdade, pode resultar justamente no contrário: a unidade política entre estudantes, professores e técnicos administrativos pela qualidade na expansão e por uma Universidade pública, gratuita, democrática, de qualidade e socialmente referenciada para todos.

Guarulhos, 16 de novembro de 2010

Centro Acadêmico de Historia da UNIFESP

Gestão HistoriAção

 

Anúncios

Um comentário sobre “Carta ao corpo docente de História da UNIFESP

  1. Preciso muito entrar em contato com voces.ano passado fui ao ENEH e recebi certificado.só que meu filho que é autista rasgou, preciso comprovar 200 horas de atividades extra-curriculares para terminar o bacharelado. Gostaria que voces me enviassem outro certificado, será que é possivel? Efigenia Rocha Ribeiro – UFC, Ceará.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s